Friday, April 27, 2012

Joana Saahirah of Cairo FREE BALADI dance at the "NILE MAXIM"



Deixo-vos com um pouco da "Bint il Balad" como aperitivo para o meu próximo
WORKSHOP em Portugal!

NOVO PRAZO EXCEPCIONAL DE INSCRIÇÕES PROMOCIONAIS:
45 EUROS ATÉ DIA 12 DE MAIO. Aproveitem e venham aprender e divertir-se à GRANDE!

WORKSHOP de JOANA SAAHIRAH em PORTUGAL:


DIA 19 de MAIO, LISBOA.


Tema: ORIENTAL POP EGÍPCIO, A SENSUALIDADE da "Bint il Balad".
A Dança saída directamente das ruas VIVAS do Cairo, entre a Tradição e a Modernidade/Liberdade!

Pela primeira vez, ensinarei ORIENTAL POP egípcio (técnica e coreografia) de Dança Oriental moderna, "shaaby", "baladi" e uma linguagem gestual/corporal assimilada por mim através das MULHERES EGÍPCIAS que ainda mantêm o amor às suas raízes.

***Horário:
Dia 19 de Maio (Sábado) das 10h às 13h e das 15h às 18h.

***Programa:
Música e Dança POP egípcia. Técnica, expressão e contexto cultural do Egipto actual, coreografia e interpretação. Espécie de "street dance" egípcio, resultado da observação e experiência pessoal/profissional que adquiri vivendo com este povo.

Reunião de Dança, posturas e gestos do quotidiano egípcio, interpretação da música com o sentido de humor, sensualidade e jogo tão próprios da MULHER EGÍPCIA.
O Egipto feminino em forma de DANÇA. Arte e brincadeira, "flirt" e auto-confiança com algum piri-piri "(felfel")!!!Eis o primeiro resultado do trabalho que comecei a fazer com as MULHERES de cá. Enquanto lhes ensino Dança Oriental, a minha, elas ensinam-me a DELAS.


***Local:


INIMPETOS-Escola de Actores (Rua de Campolide, 27 A-Lisboa, perto do Centro Comercial das Amoreiras).

* Telf.:/Fax:213 157 815

*Email: inimpetus@netcabo.pt

*Website: http://www.inimpetus.org/

***Preços:


PROMOÇÃO até dia 12 de Maio: 45 euros pelas 6 horas de formação.


65 euros para inscrições a partir de 13 de Maio até à data do evento.



***Forma de Inscrição:
Para inscrever-se no evento basta efectuar a transferência inter-bancária do valor relativo ao mesmo para o nosso NIB: 0007 0075 0001 1250 0053 6.
Depois de ter efectuado a transferência, pedimos o favor que nos avise da mesma através do email: dancemagica@gmail.com ou do telemóvel: 96 642 7997.

Além do aviso da data da transferência e nome em que foi feita, pedimos que apresente o talão da mesma no dia do evento.

*** Organização:Joana Saahirah do Cairo
http://www.joanabellydance.blogspot.com/
http://www.joanamagica.blogspot.com/
Encontre mais informações sobre Joana Saahirah of Cairo no Face Book e no Youtube!

La Abuela Margarita


Souvenir para a Alma...

ENTREVISTA A LA ABUELA MARGARITA
"Cuando quiero algo me lo pido a mi misma"



La Abuela Margarita, curandera y guardiana de la tradición maya, se crió con su bisabuela, que era curandera y milagrera. Practica y conoce los círculos de danza del sol, de la tierra, de la luna, y la búsqueda de visión. Pertenece al consejo de ancianos indígenas y se dedica a sembrar salud y conocimiento a cambio de la alegría que le produce hacerlo, porque para sustentarse sigue cultivando la tierra. Cuando viaja en avión y las azafatas le dan un nuevo vaso de plástico, ella se aferra al primero: “No joven, que esto va a parar a la Madre Tierra”. Rezuma sabiduría y poder, es algo que se percibe con nitidez. Sus rituales, como gritarle a la tierra el nombre del recién nacido para que reconozca y proteja su fruto, son explosiones de energía que hace bien al que lo presencia; y cuando te mira a los ojos y te dice que somos sagrados, algo profundo se agita.



Ella nos dice: "Tengo 71 años. Nací en el campo, en el estado de Jalisco (México), y vivo en la montaña. Soy viuda, tengo dos hijas y dos nietos de mis hijas, pero tengo miles con los que he podido aprender el amor sin apego. Nuestro origen es la Madre Tierra y el Padre Sol. He venido a la Fira de la Terra para recordarles lo que hay dentro de cada uno."

-¿Dónde vamos tras esta vida?

-¡Uy hija mía, al disfrute! La muerte no existe. Las muerte simplemente es dejar el cuerpo físico, si quieres.

-¿Cómo que si quieres…?


-Te lo puedes llevar. Mi bisabuela era chichimeca, me crié con ella hasta los 14 años, era una mujer prodigiosa, una curandera, mágica, milagrosa. Aprendí mucho de ella.



-Ya se la ve a usted sabia, abuela.

-El poder del cosmos, de la tierra y del gran espíritu está ahí para todos, basta tomarlo. Los curanderos valoramos y queremos mucho los cuatro elementos (fuego, agua, aire y tierra), los llamamos abuelos. La cuestión es que estaba una vez en España cuidando de un fuego, y nos pusimos a charlar.



-¿Con quién?

-Con el fuego. “Yo estoy en ti”, me dijo. “Ya lo sé”, respondí. “Cuando decidas morir retornarás al espíritu, ¿por qué no te llevas el cuerpo?”, dijo. “¿Cómo lo hago?”, pregunté.



-Interesante conversación.

-”Todo tu cuerpo está lleno de fuego y también de espíritu -me dijo-, ocupamos el cien por cien dentro de ti. El aire son tus maneras de pensar y ascienden si eres ligero. De agua tenemos más del 80%, que son los sentimientos y se evaporan. Y tierra somos menos del 20%, ¿qué te cuesta cargar con eso?”.



-¿Y para qué quieres el cuerpo?

-Pues para disfrutar, porque mantienes los cinco sentidos y ya no sufres apegos.Ahora mismo están aquí con nosotras los espíritus de mi marido y de mi hija.




-Hola.

-El muertito más reciente de mi familia es mi suegro, que se fue con más de 90 años. Tres meses antes de morir decidió el día. “Si se me olvida -nos dijo-, me lo recuerdan”. Llegó el día y se lo recordamos. Se bañó, se puso ropa nueva y nos dijo: “Ahora me voy a descansar”. Se tumbó en la cama y murió. Eso mismo le puedo contar de mi bisabuela, de mis padres, de mis tías…



-Y usted, abuela, ¿cómo quiere morir?

-Como mi maestro Martínez Paredes, un maya poderoso. Se fue a la montaña: “Al anochecer vengan a por mi cuerpo”. Se le oyó cantar todo el día y cuando fueron a buscarle, la tierra estaba llena de pisaditas. Así quiero yo morirme, danzando y cantando. ¿Sabe lo que hizo mi papá?



-¿Qué hizo?

-Una semana antes de morir se fue a recoger sus pasos. Recorrió los lugares que amaba y a la gente que amaba y se dio el lujo de despedirse. La muerte no es muerte, es el miedo que tenemos al cambio. Mi hija me está diciendo: “Habla de mí”, así que le voy a hablar de ella.



-Su hija, ¿también decidió morir?

-Sí. Hay mucha juventud que no puede realizarse, y nadie quiere vivir sin sentido.




-¿Qué merece la pena?

-Cuando miras a los ojos y dejas entrar al otro en ti y tú entras en el otro y te haces uno. Esa relación de amor es para siempre, ahí no hay hastío. Debemos entender que somos seres sagrados, que la Tierra es nuestra Madre y el Sol nuestro Padre. Hasta hace bien poquito los huicholes no aceptaban escrituras de propiedad de la tierra. “¿Cómo voy a ser propietario de la Madre Tierra?”, decían.

-Aquí la tierra se explota, no se venera.

-¡La felicidad es tan sencilla!, consiste en respetar lo que somos, y somos tierra, cosmos y gran espíritu. Y cuando hablamos de la madre tierra, también hablamos de la mujer que debe ocupar su lugar de educadora.



-¿Cuál es la misión de la mujer?

-Enseñar al hombre a amar. Cuando aprendan, tendrán otra manera de comportarse con la mujer y con la madre tierra. Debemos ver nuestro cuerpo como sagrado y saber que el sexo es un acto sagrado, esa es la manera de que sea dulce y nos llene de sentido. La vida llega a través de ese acto de amor. Si banalizas eso, ¿qué te queda? Devolverle el poder sagrado a la sexualidad cambia nuestra actitud ante la vida. Cuando la mente se une al corazón todo es posible. Yo quiero decirle algo a todo el mundo…

-¿...?


-Que pueden usar el poder del Gran Espíritu en el momento que quieran. Cuando entiendes quién eres, tus pensamientos se hacen realidad. Yo, cuando necesito algo, me lo pido a mí misma. Y funciona.



-Hay muchos creyentes que ruegan a Dios, y Dios no les concede.

-Porque una cosa es ser limosnero y otra, ordenarte a ti mismo, saber qué es lo que necesitas. Muchos creyentes se han vuelto dependientes, y el espíritu es totalmente libre; eso hay que asumirlo. Nos han enseñado a adorar imágenes en lugar de adorarnos a nosotros mismos y entre nosotros.



-Mientras no te empaches de ti mismo.

-Debemos sutilizar nuestra sombra, ser más ligeros, afinar las capacidades, entender. Entonces es fácil curar, tener telepatía y comunicarse con los otros, las plantas, los animales. Si decides vivir todas tus capacidades para hacer el bien, la vida es deleite.

-¿Desde cuándo lo sabe?

-Momentos antes de morir mi hija me dijo: “Mamá, carga tu sagrada pipa, tienes que compartir tu sabiduría y vas a viajar mucho. No temas, yo te acompañaré”. Yo vi con mucho asombro como ella se incorporaba al cosmos. Experimenté que la muerte no existe. El horizonte se amplió y las percepciones perdieron los límites, por eso ahora puedo verla y escucharla, ¿lo cree posible?

-Sí.

-Mis antepasados nos dejaron a los abuelos la custodia del conocimiento: “Llegará el día en que se volverá a compartir en círculos abiertos”. Creo que ese tiempo ha llegado

Wednesday, April 25, 2012

Revista Farah Joana Saahirah Egipto




Deixando-vos assim...embalados em eventos e tempos de Grande Criatividade e Descobertas (sempre fiel aos meus genes lusitanos de navegadores e poetas):

***4º WORKSHOP de DANÇA ORIENTAL do CAIRO - Relembrando/Ensinando Dança Egípcia às Mulheres Egípcias!!!:). Já dia 4 de Maio. Ah, ah! Mais uma vez, disseram-me que não seria possível, que este corpo de Luz e Audácia não veriam outros sóis e aqui estamos no 4º evento, cada vez mais fortes e bem sucedidos. Graças aos Deuses, a mim, às Mulheres lindas que tornam tudo isto uma REALIDADE palpável.

***Argentina, Portugal e Irlanda - Workshops, Espectáculos e Conferências. A dar o litro, de corpo e alma, mais que nunca!

***WORKSHOP em LISBOA, dia 19 de Maio e no PORTO, dia 20 de Maio. Mais informações em "posts" anteriores deste blogue e através do email: dancemagica@gmail.com

***Novos ESPECTÁCULOS com a minha orquestra aqui no Cairo, já em Junho e o primeiro curso extensivo de Dança Oriental a acompanhá-los, dando o pontapé de partida para um Verão em CHEIO!

***FESTIVAL SALAMAT MASR, aqui no Cairo. Será em Julho e contará com o meu Workshop e Espectáculo, bem como a participação de alguns dos mais conceituados nomes da História da Dança Oriental.
Infos: http://www.salamat-masr.com/


***Bem-vindos à minha Fan Page Oficial no Facebook (busquem "Joana Saahirah of Cairo Fan Page").

***Viagens, chegadas e partidas, partilhas, família, amigos, alunos, fans...todos ALIMENTO para a minha Alma. Grata a TUDO e todas as pessoas que tornam a minha VIDA tão RICA e cheia de razões para SORRIR.
Até breve!

Monday, April 23, 2012


Na AGENDA...

*Dançar Tango em milongas tradicionais de Buenos Aires na minha próxima viagem à cidade (segundo fim-de-semana de Maio). Os homens argentinos têm aquele "não sei quê" que transforma uma simples dança num romance apaixonado a recordar para toda a vida;

*Divertir-me em Dublin e no castelo de Chasterville (Irlanda), onde decorrerá o FESTIVAL "SHAKEFEST" (este mês de Maio)onde tenho a honra de ser Artista/Instrutora/Conferencista convidada. Respirar o ar dos Druidas, das fadas e dos gnomos de outros tempos. De todos os tempos...

*Terminar as novas coreografias que ensinarei na Argentina, Irlanda e Portugal - os três países contarão com os meus workshops/performances este mês de Maio;

*Escrever, escrever, escrever. Trabalhar no meu livro como uma obcecada, louca, amorosa demente, como se fosse toda a razão do meu Existir;

*Preparar novos espectáculos aqui para o louco e amado Cairo;

*Abraçar família e amigos chegados (com especial carinho para a minha sobrinha Alice de quem morro de saudades); Ver o Mar Atlântico, cheirar-lhe o bater das ondas e escutar-lhe a maresia. Banhar-me nele, mesmo que ainda gelado. Dançar, em pensamento, com as gaivotas do nosso imenso caudal de sonhos...lusos. Cosmopolitas. Do mundo e de fora dele. Portugueses.

*Lançar o primeiro curso intensivo de Dança Oriental para as Mulheres do Cairo.
Segue-se o 4º Workshop de Dança Oriental do Cairo já dia 4 de Maio e uma nova e determinante fase do projecto "Women of Egypt Blooming" terá início em Junho com o Curso, Noites temáticas, palestras, visitas a sítios onde a cultura, música e dança egípcia ainda sobrevivem "quase" intactos e muito mais...

FELIZ e GRATA por fazer aquilo que mais AMO.

Os atalhos que o(s) diabos nos oferecem pelo caminho.


São tantos...que a base forte (nalguns casos!) dos valores que trazemos dentro de nós se vê ligeriamente abalada ou totalmente devastada. Quando a honestidade, a generosidade e o amor são interpretados e usados por pessoas que não sabem o que eles são salta cá para fora a enorme tentação de ser "como os demais", de deixar as nossas asas penduradas no cabide esquecido de um qualquer armário com cheiro a mofo e ceder a este mundo onde a DESALMA se alastra a velocidade assustadora.

No Egipto, em particular, é a lei do mais forte que prevalece sendo que o "mais forte" é, neste caso, o mais corrupto, servil, desonesto, cruel, inconsciente e insensível de todos. Quando a qualidade, o talento e as qualidades POSITIVAS de uma pessoa são mais motivo de escárnio e castigo do que de respeito, o mundo está MESMO perdido.
A pergunta não é se ainda haverá anjos por aí mas se ainda há PESSOAS!

Sunday, April 22, 2012


Quero mais desta LUCIDEZ, por favor.

Em tempos correntes de salafistas atrasados mentais, homens das cavernos de cérebro congelado e Irmandades Muçulmanas compostas de pequeninos vermes inúteis, tenho SEDE - mais do que nunca! - de Inteligência, de Lucidez e bom senso.
Ele é um "cheique" que defende teorias da conspiração americanas que passam pela PEPSI (sigla codificada com uma mensagem imperialista subjacente, segundo um destes famosos génios da parvalheira de seu nome Abou Ismail).
Ele é o povo indo na cantiga dos fanáticos religiosos que repetem à exaustão: "As bananas e os pepinos são trabalho do demónio que suscita apetites lascivos...".
Ele é a Real Idiotice coroada como Política Contemporânea da mais alta estirpe.
Ele é, ela é, nós somos, vós sois, eles são...LOUCOS.

Quero mais disto: o simples acto REVOLUCIONÁRIO de colocar algo misterioso denominado de CÉREBRO a funcionar. De uma vez por todas ou só às vezes (para o motor não entrar em sobreaquecimento).

Ainda me irritam...

Os medíocres que, coincidentemente ou não, tendem a ser arrogantes e a tratar os outros de cima para baixo. É um facto: quanto maior é a pequenez do personagem, mais impertigado e dado a "grandezas" ele é, como uma espécie de compensação da sua vacuidade. Sigmund Freud explicá-ló-ia melhor que eu. Limito-me a observar e a surpreender-me sempre com a humildade dos GRANDES e a arrogância ridícula dos pequeninos.

Cada vez mais, busco o ESSENCIAL e nele não cabem manias, "show off" gratuito, ares de superioridade, falsa altivez, arrogância. Apenas VALOR e PROVAS dadas no que se É e FAZ na Vida. Os factos falam por si e aquilo que SOMOS grita muito mais alto do que aquilo que queremos fazer parecer ser.

"Não é o que parece- Parte Infinito"


A senhora egípcia que me afasta do marido que me vem cumprimentar no final de um espectáculo porque, passo a citar, "enti rakkasah"/" tu és bailarina".
???
Senão soubesse o que esta casa gasta, teríamos confusão ou até algum orgulho ressentido mas sou uma boa aluna desta Escola dos Misérios Egípcios e já nada me parece chocar, surpreender ou ferir. Ganha-se uma pele calejada e uma compaixão quase budista pela imensa ignorância e fragilidade alheias.


PORTUGUESES e seus Génios.

Gosto MUITO disto porque sim (aprendi a justificar as minhas escolhas desta forma com os meus professores, os Egípcios da actualidade).


Fotografia de FERNANDO PESSOA a jogar xadrez com Aleister Crowley, em Sintra. O misterioso e pouco recomendável Crowley foi um ocultista famoso. Pessoa, ao ler numa publicação inglesa o seu horóscopo com alguns erros, escreveu-lhe a corrigi-lo e Crowley ficou admirado com os conhecimentos de Pessoa. Sempre pronto a viajar resolveu vir até Portugal, para conhecer o poeta. O encontro não foi tão entusiasmante como seria de prever, já que Pessoa deve ter-se apercebido rapidamente dos desequilíbrios psíquicos e espirituais graves de Crowley. De qualquer forma prestou-se a colaborar na encenação do suicídio de Crowley na Boca do Inferno, o que permitiu a este escapar não só às suas amantes como até ao conhecimento do público. Crowley terá sido um agente duplo dos ingleses e dos alemães, e era uma figura cujo paradeiro e actividades, por vezes perigosas, interessava às autoridades.



Por: Fernando Pessoa,Plural como o Universo

Saturday, April 21, 2012



F. PESSOA INTEIRO


"Que nenhum filho da puta se me atravesse no Caminho !
O Meu caminho é pelo Infinito fora até chegar ao Fim (caso haja) !
Se Eu Sou capaz de chegar ao Fim ou não, não é contigo, deixa-me ir...
É comigo, com DeuS e com o Sentido-Eu da palavra InfinitO"...

(Alvaro de CampoS)



Por: Rosa Leonor Pedro

Enquanto multidões se juntaram ontem à tarde na famosa "Praça da Libertação" (baixa do Cairo) pedindo o regresso de uma personagem ridículo (Abou Ismail) à corrida presidencial, eu ensinava DANÇA e LIBERDADE a um grupo restrito de mulheres que comigo partilharam o 3º Workshop de Dança Oriental do Cairo.
Os níveis de ignorância e estupidez, amplamente observados nos dias que correm, assustam-me para lá da conta do riso que conseguia extrair dos mais absurdos episódios desta sociedade tão "sui generis".
De repente, já não tem graça a forma como se usam palhaços enlouquecidos como iscos políticos que manipulam a mente do povo egípcio com a facilidade com que se convence uma criança de dois anos a comer a papa. Não tem piada...é triste, simplesmente.

É certo que o sistema des-educativo egípcio sempre seguiu as directrizes do Governo que nunca desejou um povo instruído e livre (coisa perigosa para qualquer ditadura)mas a ingenuidade e a idiotice de quem crê em balelas pseudo-religiosas (que de religioso nada têm) eleva-se a graus insuportáveis. Dolorosos.

Os cérebros parecem ter-se congelado, definitivamente. Os corações também. A alma já se perdeu há muito, desde que os VERDADEIROS egípcios foram invadidos, aniquilados, explorados, humilhados na sua própria terra. É uma longa história de ocupações, colonizadores ladrões, tiranos que não suportaram a GRANDEZA deste país...os egípcios já não são EGÍPCIOS. São um produto mal amanhado e distorcido que, um dia longínquo, foram.

Resta a esperança e a crença, também ela ingénua, em MILAGRES.


Romeu e Julieta felino.


Que fazer quando um dos meus anjos (vulgo gatas) parece ter-se apaixonado por um Romeu que vem chorar por ela debaixo da nossa janela?
Tudo começou com pequenos gemidos e miaus suaves atirados à rua. Depois veio uma aflição existencial pouco usual na minha menina "Kenzi". Até que observei a razão de tão emocionado choro: um lindo gato branco que por ela cantava, na rua. Ele fitando-a, ela fitando-o a ele e uma paixão DAQUELAS***** no meio dos dois.

Há que convencer a rapariga que o matulão só está com o cio e que Romeus e Julietas só existem na imaginação dos Românticos e que ela, na condição de gata,não se encaixa nesse perfil dos perdidos da Vida e dos caídos no vale fatal da paixão.
Ai, aiiii....

Eis o aviso que me apetece oferecer aos meus vizinhos e porteiros.

Não há passo que dê que não seja monitorizado e registado num caderno pelos porteiros do meu prédio.
Não há pessoa que entre na minha casa que não seja motivo de minuciosa observação e inquérito (especialmente se o visitante for um homem).
Não há orgia báquica que não imaginem sempre que recebo vários amigos em casa.
Não há paciência para os maus tratos e envenenamento de que são alvo os animais que ousam passar pelo prédio.
Ou pachorra para aturar a cara de assombro dos porteiros quando me vêem entrar em casa com dois "cappuccinos", julgando que se trata de uma bebida extra para alguém que passou a noite comigo (sem estarmos casados!!!Um escândalo).

Apetecia-me limpar o prédio destes parasitas desocupados que se julgam donos das vidas alheias e Deuses Todos Poderosos para julgar quem não conhecem mas jamais a si mesmos e às suas múltiplas trafulhices.
Era colocar umas bombinhas simpáticas na sala de estar destes "Hercule Poirots" egípcios e vê-los irem pelos ares, deixando espaço a quem tem mais que fazer do que olhar para o jardim do vizinho do lado, declarando-o sempre mais verde e pecaminoso do que o seu próprio jardim.

Friday, April 20, 2012

Rodrigo Leao & Lula Pena - "Pasion"



Feliz por regressar a "mi querido Buenos Aires" e às gentes bonitas de coração quente que me receberam, pela primeira vez, com TANTA DOÇURA e RESPEITO.
Um até já à Argentina que já faz parte do grupo de casas múltiplas de que me componho.

Latcho Drom Egypt



Cena de filme egípcio que retrata o país pelo qual me apaixonei, não o país que dele querem fazer.
O Egipto profundo dos camponeses e dos homens honrados e duros Saiidi.
Sim, RECONHEÇO ESTE PAÍS.
Criativo, visceral, orgânico, antigo na sua sabedoria e ALTO na dimensão da sua Alma.
Grata ao meu amigo Carlos Alves por me ter oferecido este presente tão quente.

A minha doce gratidão para as Mulheres que participaram no 3º Workshop de Dança Oriental do Cairo!


Acredito firmemente que as pessoas CERTAS se juntam no tempo e lugar certos. Não existem coincidências,parece-me...as Mulheres bonitas que se juntaram a mim no Workshop desta tarde ignoraram, por instantes, a instabilidade vivida na famosa "Praça da Libertação" ("Middan Tahrir") e deciriam APRENDER e SER FELIZES.
Enquanto se gritava por um personagem ridículo de seu nome Abou Ismail (uma das figuras teatrais do extremismo religioso muçulmano e do Real Clube da Estupidez Atroz), nós entrávamos dentro do nosso corpo e de lá arrancávamos, suavemente, a Alma.

SOU feliz quando sinto mulheres unidas no propósito de CRESCER e serem MAIS LIVRES, CRIATIVAS e CORAJOSAS. E é esse o propósito principal do meu trabalho no ensino da Dança Oriental.
Grata pelo evento e pelo que de secreto***e BELO lá se partilhou.
Perguntam pelo próximo e eu respondo, entusiasmada: já vem a caminho, como o vento primaveril que tudo renova.

Comida para a Alma...

‎"Eu sei que és sensível. Tu podes não saber, mas eu sei que és sensível. A tua sensibilidade vive nos teus poros, nas tuas células, na tua vibração. A cada vez que te magoam, desaba o céu em cima da tua cabeça. E tu só precisas de te entristecer, de te fragilizar. Como eu digo sempre, «Deixa doer para passar
depressa».

A tua sensibilidade é um trevo de quatro folhas, é talvez o teu maior dom, o maior dos maiores. Mais forte do que seres inteligente, é seres sensível. Mais forte do que seres arguto, é seres sensível. Mais forte do que seres rico,
bonito, capaz, simpático, é seres sensível. Mais forte do que seres forte,
é seres sensível.

As pessoas sensíveis sentem as dores do mundo. Dói? Dói. Mas é
infinitamente mais verdadeiro, mais harmonioso, do que bloquear a sensibilidade e andar por aí, feito palhaço, na ilusão de que tudo vai melhorar… porque sabemos que dessa maneira não melhora nunca. Ser sensível é ter conexão total, directa, ininterrupta e irreversível.

É mais difícil? É. Mas, por outro lado, quando se está bem, quando se está feliz – e começam a ser muitas as vezes em que isso acontece –, a alegria é incomensurável. O que seria alegria é agora êxtase. O que seria felicidade é agora estado de graça. E os realmente sensíveis, aqueles que já aceitaram a sua sensibilidade plena e absoluta, os que já não bloqueiam, os que aceitam sentir tudo, tudo, tudo, já sabem o que é estar em estado de graça. E já não querem prescindir dele. E já não querem outra vida."

Livro da Luz
Via: Michele Pó


Strange Case of Dr Jekyll and Mr Hyde


"O médico e o monstro /" O Estranho Caso de Dr. Jekyll e Mr. Hyde" é um livro de ficção científica escrito pelo autor escocês Robert Louis Stevenson e publicado originalmente em 1886. Trata sobre um advogado londrino chamado Gabriel John Utterson, que investiga estranhas coincidências entre seu velho amigo, Dr. Henry Jekyll, e o misantropo Edward Hyde.

A obra é conhecida por sua representação vívida do fenômeno de múltiplas personalidades, divididas no sentido que dentro da mesma pessoa existe tanto uma personalidade boa quanto má, ambas muito distintas uma da outra. O impacto do romance foi tal que se tornou parte do jargão inglês, com a frase "Jekyll e Hyde" usada para se referir a uma pessoa que age de forma moralmente diferente dependendo da situação.

Strange Case of Dr Jekyll and Mr Hyde foi um sucesso imediato e um dos trabalhos mais vendidos de Stevenson. Adaptações teatrais começaram a ser encenadas em Londres um ano após seu lançamento, e a partir de então o livro inspirou a realização de diversos filmes e peças.

Fonte: Wikipédia.


Muito mas...MUITO comum no Egipto, onde as pessoas são forçadas a irem contra elas mesmas e a viverem toda uma vida reprimidas, física, mental, emocional e espiritualmente. Não é por acaso que esta é a Casa Oficial da Loucura.
Bastantes Dr. Jekylls e Mr. Hydes espalhados pelas esquinas deste país, bastantes...



Hoje é O DIA!


É fácil ficar viciada no que me faz crescer e me surpreende. Se há quem goste de estagnar e se sentar, comodamente, no seu pequenino trono de certezas e conhecidos, eu sou todo o contrário. Nasci cigana e morrerei cigana, ávida de novas paragens, gentes, mentalidades, paixões, experiências.

Ensinar Dança Egípcia a mulheres egípcias começou como uma ideia de amigos (homens!) para a qual me empurraram até que escorreguei e lá caí, surpresa por me sentir tão feliz.
Enquanto o extremismo religioso cresce na mesma proporção da estupidez generalizada (que já não era pouca!), enquanto homens barbudos e de calos na testa povoam o Cairo e mais mulheres se transformam em "Ninjas" sem corpo, personalidade, voz ou Alma, eu remo contra a corrente. Sempre o fiz, afinal! Nada de novo nesse departamento.

O retorno recebido das Mulheres que se atrevem a RE-aprender a sua Dança é maravilhoso e (quase)inexplicável. Hoje ACONTECE o 3º Workshop de Dança Oriental para as Mulheres do Cairo. Sei que aprenderei com elas, tanto ou mais do que lhes ensino. E a elas me unirei nessa fraternidade - nova para mim - onde não existe competição, deslealdade ou invejas. Só Amor, aprendizagem, brincadeira, criatividade, prazer e LIBERDADE.
Brindemos a isso!

A caminho do desapego das coisas materiais.

Não sou, por natureza, materialista. Não fico doida com uma sessão de compras, não entro em lojas para experimentar roupa ou sapatos, nem tenho ânsias de possuir este ou aquele adereço. O meu dinheiro é gasto em luxos particulares e, mesmo esses, se tornam cada vez mais dispensáveis. A compulsão dos livros, de aprender, uma massagem aqui e ali porque me lembro de agradecer ao meu corpo as coisas fantásticas que ele faz por "nós" diariamente mas não vou além disso.
Prezo a qualidade, em vez de quantidade.
Prezo as pessoas de QUALIDADE, nem tanto as coisas de qualidade.
Prezo as emoções e o que vai no coração e na mente de quem está ao meu lado, mais do que as roupas, mala, penteado dessa pessoa.
Nunca reparo no que os outros trazem vestido, muito menos no que eu trago vestido. Foco-me noutras coisas, insignificantes para a maioria. Por isso tendo a mergulhar fundo dentro dos peitos alheios e a ver mais do que desejaria mas até mesmo nesses momentos já consigo ter compaixão, entender e ACEITAR a Imperfeição humana.

Sei que não sou, definitivamente, apegada às coisas materiais quando me deixo roubar à descarada e não permito que isso me tire o sono.
Sei que não sou, DEFINITIVAMENTE, apegada às coisas materiais quando me roubam uns óculos caríssimos "Gucci" (que eu adorava, ADORAVA!) e penso para mim mesma:
-Que a ladra/ão lhe faça bom proveito, tanto como eu fiz.

Não sei se isto é bom sinal ou simples salto para o território vago da demência mental. Sei que fico mais leve, com menos coisas materiais e muito MAIS de REAL VALOR dentro de mim.

Thursday, April 19, 2012


"Coloque a mão na chama de um fogão por um minuto, e parece que foi uma hora.
Sente-se junto daquela pessoa especial por uma hora, e vai parecer que foi só um minuto.

Isto é relatividade."


Albert Einstein
Via: Filomena Nunes


"O maior medo no mundo é das opiniões dos outros.
No momento em que não têm medo da multidão você não é mais uma ovelha, você se torna um leão.

Um grande rugido surge em seu coração,o rugido de liberdade."


OSHO


Por: Universo Místico
Via Maria Nunes.

Só para Mulheres.

Ou reminiscências de uma adolescência histérica que contou com ridículos episódios de desmaios e gritinhos diante de posters dos "New Kids on the Block".
Ryan Gosling. Olha... porquê?! Porque sim.
Belíssimo Actor. Belíssimo Homem. Capa do livro e história que lá vem dentro.
Como diria uma irmã Lilith (Susana Vitorino), esta agradável criatura causa-me piquinhos nos sítios mais indiscretos.
Como sou generosa e partiho sempre o que me INSPIRA, aqui fica o registo.

Suspiros (de adolescente, está claro!)...

Grata.

Porque esta é a única prece que resiste a ventos e marés de sempre. Se todas as convicções se fossem no meio dos vendavais enfrentados, existe uma pequena palavra que se mantém, de pedra e cal, fiel ao seu PODER e SIGNIFICADO eternos.
GRATA.

Pelo sol e pela lua. Pela alegria e pelas dores que me tornaram mais HUMANA.
Pelos sonhos REALIZADOS e pela força, saúde e capacidades para realizar os que estão por vir.
Pelos amigos e invisíveis inimigos, pois ambos me estimulam a seguir adiante.
Pelos amores, pelo AMOR que é transversal a todos eles.
Pela família e amigos chegados e pelo AMOR puro que nos une.
Pelos aplausos em palcos do Egipto e do MUNDO INTEIRO. Pela COMPREENSÃO da minha ARTE, pelo reconhecimento do meu talento e trabalho honesto.
Por esta***FORÇA que trago dentro e que não me pertence totalmente. Empréstimo dos/as Deuses/as para que tenha combustível extra pelas caminhadas fora/acima.
Pelo CORPO feito TEMPLO, por todas as partes desta máquina PERFEITA que sublimam o lixo e dele fazem DANÇA e novas PAIXÕES.
Pelos animais, esses anjos de extrema beleza.
Pelas surpresas solares e pelos choques terroríficos que exercitam o músculo do coração, tornando-o mais FORTE e ELÁSTICO para que mais e MAIS gente nele caiba.
Por estar VIVA. Por SER VIVA.


E é assim que fico (olhar para a imagem à vossa direita)quando ouço o mítico "Inshah Allah..."

Estou à espera do meu "caramel latte" num Starbucks do Cairo quando reparo num "brownie" de aspecto apetitoso exposto na montra da comida. Pergunto ao empregado:
-Este "brownie" é fresco?
-"Inshah Allah" ("Se Deus quiser").
-Não entendeu a pergunta.Quero dizer: se o "brownie" é de hoje, se foi entregue recentemente ou se já aqui está há dias...
-"Inshah Allah".
-...Se estiver seco, volto cá e devolvo-o. Fica avisado.
-"Inshah Allah".
(Alguém desliga, por favor, o botão do "Inshah Allah" que ficou bloqueado em sistema de piloto automático. Muito obrigada.)

Conclusão: permiti que a minha gulodice ganhasse sobre o bom senso de experiência adquirida e levei o "brownie", descobrindo que estava, de facto, mais seco do que tijolos. O termo "Inshah Allah" é usado e abusado para desresponsabilização das pessoas que o usam. Quer dizer, então o "brownie" é fresco, se Deus quiser???!!! Mas que raio quer isso dizer?

"Bokra,Inshah Allah! (Amanhã, se Deus quiser!)" ou um solitário mas conciso "Inshah Allah" atirado ao ar são as desculpas perfeitas para quem não tem a mínima intenção de se comprometer. Está TUDO nas mãos de Deus e nada nas minhas. Reparem só que conveniente que é...


Clones Versus Bailarinas.

Tenho esta tendência nata de me lançar aos desafios que outros dizem ser impossíveis de encarar e, irremediavelmente, acabo remando sempre contra marés, especialmente quando as suas direcções me parecem inúteis, desonestas, pouco interessantes ou inteligentes.

Através do meu trabalho pelo mundo fora e do contacto que tenho com bailarinas profissionais que chegam de todo o lado para me ver actuar ao vivo e ter aulas particulares comigo, aqui no Cairo, apercebo-me que são os próprios ditos "professores" quem incentiva a competição, invejas, vaidade e vacuidade nas pessoas que deveriam EDUCAR. Em vez de BAILARINAS, seres criativos autónomos que pensam, sentem e criam por si próprios, os tais professores dão à luz autênticos clones, cópias de quem lhes passa movimentos e passos vazios de significado ou Vida. Admito que, da perspectiva comercial, criar clones de nós mesmos que nos copiem e sigam exactamente cada gesto por nós elaborado funciona. O pessoal quer atalhos, soluções rápidas, a ilusão que saberá dançar em poucos meses e os "professores" dão-lhes as sopas "Knorr", instantâneas, feitas à base de químicos de baixa qualidade, sem sabor ou vigor próprio. Tão pouco poderei controlar quem, conscientemente, me copia (nos gestos, no nome, na forma de falar, nas coisas que escrevo e vejo plagiadas em sites ou livros de outras "bailarinas" como se tivessem sido elas a escrevê-lo). Acho-o triste e próprio de quem não tem talento para caminhar com as próprias pernas mas é um fenómeno que não posso travar.

Teimo, teimo sim. Vou contra esta corrente de clones e tenho para mim, enquanto professora de Dança Oriental e Folclore Egípcio, uma MISSÃO: DAR ASAS para VOAR a quem o quiser fazer. Ensino a VOAR mas não permitirei que esta ou aquela pessoa sejam cópias de mim. Quero que SEJAM ELAS MESMAS e que apenas aprendam de mim os utensílios que lhes permitirão RE-DESCOBRIREM-SE e EXPRESSAREM OS SEUS PRÓPRIOS MUNDOS. Nem preciso do selo "Joana Saahirah" tatutado nas pessoas a quem ensino. É certo e sabido que, a maioria das alunas que comigo tanto aprendeu, diz nunca ter estudado comigo. Algumas chegam ao cúmulo do ridículo de afirmar que não me conhecem...tal desonesta mediocridade é muito comum e já não me afecta. Esqueçam o meu nome, depois de terem bebido TUDO o que vos dou em aulas, workshops, cursos de toda a espécie. Esqueçam-me. Ignorem-me até. MAS TENHAM A CORAGEM DE SEREM VOCÊS MESMAS E DE PÕR A BOM USO AQUILO QUE VOS ENSINEI. SE, EM VEZ DE CLONES, EU VIR BAILARINAS, DOU-ME POR MUITO FELIZ E REALIZADA.

Há professores que precisam de rever-se nos seus alunos. Esse não é o meu caso. Dou de mim para que cada BAILARINA que comigo estuda possa SER APENAS ELA MESMA.
Esqueçam o meu nome mas não se esqueçam do que vos ENSINEI.

Wednesday, April 18, 2012


Prazeres secretos...

Aqueles momentos de silêncio profundo entre mim e o meu público, quando em palco. Momentos de LIGAÇÃO, de mútua compreensão, de RECONHECIMENTO de Almas***. A minha orquestra sustém a respiração, eu peço que me ofereçam essa nota não escrita nas pautas musicais, um susto de encantamento entre um movimento e o próximo que se demora por estar PASMADO, usufruindo da BELEZA do momento.
Silêncio que baila na corda da trapezista que sou, o público nos meus braços sendo embalado como um bebé recém-nascido. Os corações detêm-se paralelamente ao meu, até que se confundem uns com os outros. A Bailarina é o público e este é a Bailarina. Somos Um.
Depois chegam os aplausos mas o ESSENCIAL já aconteceu, compensando por todos os obstáculos e terrores que se pagam pelo privilégio do SUCESSO por mérito próprio.
E a lixeira fica reduzida a nada porque são estes espaços VAZIOS entre notas musicais e os movimentos que estão por vir que FAZEM TUDO VALER a PENA, quando multiplicados em EMOÇÃO pelo público. Pela minha vontade de nele desaparecer e, ainda assim, ser mais Eu. Ser mais Nós.

Milagres***.Prazeres e GRANDES SUCESSOS secretos.Tesouros muito meus.;)


Cursos de auto~estima exacerbada.

Disponíveis por todo o mundo árabe actual e com sede no Cairo, Egipto.
Facilitadores: Homens comuns, do suportável ao mais aberrante, que se olham ao espelho e chegam à estranha conclusão: "Não há homem mais belo, charmoso, inteligente, irresistível, másculo, sedutor, PRECIOSO do que eu." Nas suas mentes de passarinho recém-nascido, até o espelho fica maluco e lhes atira um beijo molhado quando lhe lançam a clássica questão: Espelho meu, espelho, há alguém no mundo mais belo do que eu?!

Possível cenário:
Ali se encontra um professor espontâneo de "auto-estima" exacerbada, encostado a um poste, à esquina de uma rua cairota. Desempregado, sem perspectivas ou intenções de deixar de sê-lo. O seu universo intelectual não vai além do que comeu hoje ao pequeno-almoço mas aparenta trejeitos de génio. Desdentado, mal amanhado (tipo peixe de varina desleixada em dia de muita clientela), nariz protuberante, camisa aberta de onde se avista um tufo de pêlos que nâo avistam água há umas semanas. Tira macacos do nariz, cospe para o chão e coça as partes pudibundas enquanto o seu bigode se mexe autonomamente, como bicho que tem vida própria. O sonho de qualquer mulher, portanto! Passa um naco de carne fresca (vulgo mulher) por ele e a conquista está, na sua cabeca oca, garantida. "Quem poderá resistir ao meu charme e imensa beleza???"

O ritual repete-se com outros professores espontâneos espalhados pelo Médio Oriente e, em particular, no Cairo, sede principal da Organização. De onde vem esta auto-estima exacerbada e totalmente ilusória, eu não sei ao certo. Sei que gostaria que estes personagens se reunissem e dessem um curso intensivo ao pessoal: "COMO AUMENTAR a sua AUTO-ESTIMA para lá dos limites do sensato." Era sucesso garantido.



O reverso do engate à moda egípcia.

Quando o homem egípcio/árabe leva uma tampa...ah! Eis mais um fenómeno que os antropólogos e sociólogos deveriam estudar. Engraçado, ridículo, básico o suficiente para me arrancar umas boas gargalhadas daquelas que atiramos ao ar quando vemos a típica imagem do senhor que escorrega na casca da banana e cai.

Eles investem no processo do engate e crêem que manipulam a situação que atrairá a fémea para os seus bracos. Fazem-se de amiguinhos do peito, são generosos e preocupados com o nosso bem-estar, insistem em representar o suficiente para conseguirem o que querem. Quando tal nao acontece e o máximo conquistado foi um mero: "Desculpa lá mas não estou interessada em ti dessa forma. És apenas um amigo, como tantas outros que tenho espalhados pelo mundo (esta é, talvez, a frase mais familiar à minha boca de tantas vezes que dela saiu)" eles transformam-se em perús endoidecidos e, de repente, mostram o lado "Dr. Hyde" através do qual nos vêem sob uma nova - e refrescante- perspectiva.

Eis o que vêem em nós nesse frustrante período pós-tampa:
1.Eh pá... ela é estrábica. Pensei que tinha um olhar sedutor mas, reparando bem, tem é os olhos trocados e uma cor vampiresca. Deus me livre, vade retro Satanás!
2. Puff! A cor do cabelo dela nem é natural.
3.Nahhhh...não me meto nisso. Liberdade e Mulheres é combinação perigosa. Tenho a certeza de que não reconheceu o meu imenso potencial porque tem a mente poluída com ideias erradas do que significa ser "Homem".
4. Ah! Ela é lésbica.
5. Uma "freak" monumental...ela gosta de "gays". Como poderia querer estar comigo...um Homem com H maiúscula!?
6.Acho que consegui perceber um hálito com cheiro a cebola e alho quando me despedi dela. Olha do que eu me livrei!
7. Tem problemas psicológicos e rejeita as suas emoções. Ainda deve estar "apanhada" por um ex-namorado.
8. Xiiiiiiii!!!!!!!!! O medo que ela tem de se apaixonar perdidamente por mim...olha lá para ela, nem se atreve a pensar no assunto porque pensa nos perigos de caír de amores por mim. Fatalidade, minha linda, fatalidade! Não precisas de fugir do AMORRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRRR....

E a lista continua.De rainhas, lua, sol, flores e mais uns quantos clichés estafados do pseudo-romantismo egípcio/árabe passamos a ser ser protagonistas da "Bela e o Monstro" (sendo nós o MONSTRO, está claro).
Ridículo. Infantil. Emocionalmente imaturo mas, graças a um certo masoquismo meu, acho-lhes graça e até embarco em piedosas mentiras, só para não ferir os seus insuflados egos:

"-Oh, sim...estou muito traumatizada. És bom demais para mim e sou eu quem não está preparada para viver um grande amor como este...Talvez um dia." E eles sorriem, paciente e confiantemente, querendo CRER nas minhas balelas bem intencionadas porque a perspectiva de um desinteresse feminino vai contra tudo aquilo que eles acreditam ser natural na vida. Então as esperanças renovam-se, as deles (de engatar-me um pouco mais tarde, quando eu me recompuser do meu trauma emocional e tiver os olhos BEM ABERTOS para a preciosidade máscula que se atira a mim) e as minhas (que eles vão cantar para outra rua e me desamparem a loja a mim).

P.S. Segundo a minha experiência, a persistência e resistência à rejeição do homem egípcio/árabe é ESTONTEANTE. Podem forçar a barra durante ANOS (sim, anos!) e nunca desistir da caça. Ufff, deve ser cansativo!



O reverso do engate à moda egípcia.

Tuesday, April 17, 2012


A MINHA Religião...



‎"Não se apresse em acreditar em nada, mesmo se estiver escrito nas escrituras sagradas. Não se apresse em acreditar em nada só porque um professor famoso que disse. Não acredite em nada apenas porque a maioria concordou que é a verdade. Não acredite em mim. Você deveria testar qualquer coisa que as pessoas dizem através de sua própria experiência antes de aceitar ou rejeitar algo."


(Siddartha Gautama, o Buddha, Kalama Sutra)
Via: Filomena Nunes
O que a maioria das senhoras egípcias/árabes pensam que eu, enquanto "rakasah", faço com os seus "homens"!



P.S. Eu sou o gato amarelo e o homem é o pobre gato preto, preso nas minhas sedutoras garras.
Sem comentários.

Josephine Baker actuando em Nova Iorque depois de uma ausência de vinte e cinco anos dos palcos.
Por Eve Arnold.

(A PAIXÃO...presente nesta imagem. A OUSADIA. O(s) NERVO(s). Gosto muito e muito faltam, hoje em dia.)


Pesos pesados.



Esta ousadia ~ataque de Loucura ~ de escrever o próprio livro tem das suas consequências: menos tempo livre, uma tendência estranha para a extrema introspecção, viagens à memória recalcada dos terrores e milagres de que se compõem uma VIDA bem VIVIDA, pouquíssima paciência ou cabeça para estupidez e qualquer assunto que me polua a mente/alma e também, tristemente, uma redução drástica nas leituras.
Talvez como compensação desta ausência de mergulhos literários, aqui vai a humilde referência ao que estou a ler, de momento:

1. Edição de Maio da minha revista favorita "Oprah".
2. "Anna Karenina", Leo Tolstoy
3. "Harafish" do Nobel da Literatura egípcio, Naguib Mahfouz.

Posso ter lido pouco nestes últimos meses mas creio que estes pesos pesados compensam, de muitas formas, tal escassez de alimento.
Ficam as sugestões para quem, como eu, é doida por BOAS LEITURAS.




Pesos pesados.


"RAKASAH", ou a vamp clássica que come maridos alheios ao pequeno-almoço.

"Bom dia, prazer em conhecê-la. Eu sou a vamp que come maridos alheios ao pequeno-almoço. Sugiro, para sua segurança, que tranque o seu des-amado num quarto até que me vá embora."

Personagens (reais):

1. Eu, apenas eu.
2. Um amigo chegado, egípcio do tipo comum mas com um coração raro (daí ser meu amigo).
3. Casal conhecido do meu amigo. Ambos ricos por herança e conexões privilegiadas com o Antigo Regime da Real Corrupção. Ambos de meia idade e com uma DAQUELES casamentos frequentes para os quais não existem razões aparentes, excepto interesses económicos em comum e o famoso comodismo que atira perfeitos estranhos para a cama um do outro.

Cenário:
Jardim da casa do casal. Mesa e cadeiras de veraneio, empregados ao nosso redor agindo com o tom servil colonialista (com a diferença que, neste caso, são egípcios explorando outros egípcios e não estrangeiros explorando egípcios...vai dar tudo ao mesmo, afinal!).

Início de conversa:

-Ah, então...tu és "bellydancer"?
-Sou bailarina.
-"Bellydancer"!
-Há quem me chame assim mas, na verdade, o que sou é B-A-I-L-A-R-I-N-A.
-Hmmm...vocês estão a invadir o Egipto, hã?
-Nós, quem?
-Ah, as russas e as "bellydancers" estrangeiras.Levam-nos os homens, suas marotas!
-Não sou russa, nem tão pouco "bellydancer". Para confirmar o que me diz, terá de falar com uma delas.
-Não...ahhhnnn...quero dizer...as "bailarinas" estrangeiras. Estão a invadir-nos, vocês.
-Ah, isso! Já vos invadimos há muito tempo. Desde o início dos anos noventa. Bem como os egípcios já invadiram o mundo inteiro há várias décadas. Chama-se mobilidade, emigração, liberdade de viver onde somos felizes.
-Sim, claro (expressão entre o choque e a profunda desorientação).

O meu amigo ajeita-se na cadeira, bebe um pouco de chá e aceita um trago do cigarro de haxixe que esta senhora da alta sociedade egípcia fuma com os modos de uma prostituta da rua das Pirâmides.

-Sabem que as "bellydancers" são famosas por roubar os maridos às egípcias.

Silêncio da minha parte porque, obviamente, a conversa não me diz respeito.

-Que tens a dizer sobre isso? - Dirigiu-se a senhora (?) a mim, apertando a mão ao marido que, bem mais delicado do que ela, se mostrava incómodo com a conversa.

-Já lhe disse que não sei nada sobre as "bellydancers" de que fala. Observo-as à distância, como a observo a si. Mas não têm nada em comum comigo.

-Ouvi a Nagwa Fouad dizer numa entrevista que era a única "bellydancer" a quem uma mulher "comum" roubara o marido quando o normal é que suceda o contrário.

-Não sei muito sobre os conflitos matrimoniais da Nagwa Fouad. Tive aulas com ela, tirámos fotografias juntas e assisti a uma conferência na qual ela contou parte do trajecto de carreira mas nunca me interessou saber quem lhe tinha roubado o marido. Além do mais, acho que os maridos não são guarda-chuvas para serem roubados.

-Ah, como não? Vais desculpar-me mas a fama das "bellydancers" - ou bailarinas, como queiras chamar-lhes - é a de que possuem truques de sedução capazes de virar a cabeça aos homens casados.

-Com truques ou sem truques, os homens divorciam-se porque querem e envolvem-se com outras mulheres porque querem. Não são crianças indefesas, raptadas por "vamps" poderosas.

-São sim, como crianças. E não quero que leves a mal mas sei de muitas histórias que lares distruídos por causa de mulheres da tua profissão...

E foi neste momento em que escolhi fazer-me de parva e calar-me para evitar dar uma lição de carácter educativo-agressivo a esta senhorinha muito "inhazinha" . Quantas vezes tive de gritar a plenos pulmões: "NÃO ESTOU INTERESSADA EM HOMENS CASADOS, EM GERAL. E MUITO MENOS INTERESSADA NO SEU MARIDO, EM PARTICULAR. RELAXEM!"

Mais curioso que tudo é constatar que as mesmas mulheres hiper receosas que as "bellydancers" lhes roubem os maridos são elas mesmas destruidoras de outros lares. Sem "belly".Sem "dance". Apenas pura putaria de quem olha para o jardim do vizinho e o acha mais verde do que o seu.

P.S. Cansadita de mentes tão porcas e básicas. Cansadita, confesso...

Maria Bethânia - Cântico Negro (1982)


Sintonias.

Grata ao meu amigo e companheiro de aventuras *Nuno Távora (Redonda;) por esta partilha. É que me leu os pensamenos, senão até a ALMA. Leu sim. E que bem que sabe SER lida por dentro, onde a maioria não chega.
Adoro-te, Nuninho. Abraço-te pelos caminhos***LIVRES que cada um de nós traça. Sempre...



Cântico negro

"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces

Estendendo-me os braços, e seguros

De que seria bom que eu os ouvisse

Quando me dizem: "vem por aqui!"

Eu olho-os com olhos lassos,

(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)

E cruzo os braços,

E nunca vou por ali...

A minha glória é esta:

Criar desumanidades!

Não acompanhar ninguém.

— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade

Com que rasguei o ventre à minha mãe

Não, não vou por aí! Só vou por onde

Me levam meus próprios passos...

Se ao que busco saber nenhum de vós responde

Por que me repetis: "vem por aqui!"?



Prefiro escorregar nos becos lamacentos,

Redemoinhar aos ventos,

Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,

A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi

Só para desflorar florestas virgens,

E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!

O mais que faço não vale nada.



Como, pois, sereis vós

Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem

Para eu derrubar os meus obstáculos?...

Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,

E vós amais o que é fácil!

Eu amo o Longe e a Miragem,

Amo os abismos, as torrentes, os desertos...



Ide! Tendes estradas,

Tendes jardins, tendes canteiros,

Tendes pátria, tendes tetos,



E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...


Eu tenho a minha Loucura !

Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,

E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...

Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!

Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;

Mas eu, que nunca principio nem acabo,

Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.



Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,

Ninguém me peça definições!

Ninguém me diga: "vem por aqui"!

A minha vida é um vendaval que se soltou,

É uma onda que se alevantou,

É um átomo a mais que se animou...

Não sei por onde vou,

Não sei para onde vou

Sei que não vou por aí!"



***********************************

José Régio, pseudônimo literário de José Maria dos Reis Pereira, nasceu em Vila do Conde em 1901. Licenciado em Letras em Coimbra, ensinou durante mais de 30 anos no Liceu de Portalegre. Foi um dos fundadores da revista "Presença", e o seu principal animador. Romancista, dramaturgo, ensaísta e crítico, foi, no entanto, como poeta. que primeiramente se impôs e a mais larga audiência depois atingiu. Com o livro de estréia — "Poemas de Deus e do Diabo" (1925) — apresentou quase todo o elenco dos temas que viria a desenvolver nas obras posteriores: os conflitos entre Deus e o Homem, o espírito e a carne, o indivíduo e a sociedade, a consciência da frustração de todo o amor humano, o orgulhoso recurso à solidão, a problemática da sinceridade e do logro perante os outros e perante a si mesmos.



Tradução do poster: "CUIDADO com OS ARTISTAS.Eles misturam-se com todas as classes sociais e, por isso, são os mais perigosos."


"Este é um poster dos anos cinquenta, lançado pelo Senador Joe Mccarthy no auge do terror vermelho e da caça aos comunistas em Washington. Todos os artistas eram suspeitos."

Monday, April 16, 2012




A cORAGEM...diz que vem de CORAÇÃO (dava para deduzir).






"A palavra coragem é muito interessante. Ela vem da raiz latina cor, que significa "coração". Portanto, ser corajoso significa viver com o coração. E os fracos, somente os fracos, vivem com a cabeça; receosos, eles criam em torno deles uma segurança baseada na lógica. Com medo, fecham todas as janelas e portas – com teologia, conceitos, palavras, teorias – e do lado de dentro dessas portas e janelas, eles se escondem.


O caminho do coração é o caminho da coragem. É viver na insegurança, é viver no amor e confiar, é enfrentar o desconhecido. É deixar o passado para trás e deixar o futuro ser.


Coragem é seguir trilhas perigosas. A vida é perigosa. E só os covardes podem evitar o perigo – mas aí já estão mortos. A pessoa que está viva, realmente viva, sempre enfrentará o desconhecido. O perigo está presente, mas ela assumirá o risco. O coração está sempre pronto para enfrentar riscos; o coração é um jogador.


A cabeça é um homem de negócios. Ela sempre calcula – ela é astuta. O coração nunca calcula nada.Torne-se comum e você será extraordinário; tente se tornar extraordinário e você continuará sendo comum."




Sunday, April 15, 2012




Apanhada com a boca na botija (seja lá o que isso significa!).








Já comentei sobre o meu queridíssimo ginásio cairota e suas idiossincracias próprias de uma cultura às avessas...


Ginásio só para meninas, como manda a tradição, e muita coisa que nada tem a ver com exercício físico.


Raparigas de maquilhagem, jóias e salto alto tentanto correr na passadeira, intermináveis coscuvilhices, telenovelas turcas a alto som, aroma a cozinhados que se preparam na recepção do estabelecimento e mais umas quantas ocorrências estranhas que desafiam até o mais motivado atleta.




Assim sendo, admito: sou o Rambo lá do sítio. Surpresa das surpresas: vou ao ginásio para praticar desporto (!!!!!!!!). Por isso, sou pouco dada a convívios para meninas que não têm mais nada que fazer senão cochichar, comer e uivar de dor quando são levadas ao mais mínimo esforço físico.




O único momento tipicamente "feminino" a que me dou direito é o do abençoado banho turco, depois do meu treino. Sou rapariga de calores e trópicos. Sinto-me bem sob o sol, a humidade, as Caraíbas e seus vizinhos. Meter-me naquele quartinho sobreaquecido depois de duas horas de árduo trabalho físico sabe-me muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiito bem. Tão bem que até me dá para cantar.


Preferência para os clássicos do jazz que conheço de cor graças ao meu vício musical denominado "Billie Holiday".




Por norma, uma empregada fica à minha espera à saída do banho turco, tipo dama de companhia da realeza de séculos passados, facto este que me irrita para lá da conta. Há qualquer coisa de feio no acto de esperar que outra pessoa nos calce os chinelos, nos bajule e enrole numa toalha quando já passámos dos dez anos de idade (excepção feita se tal ocorrência se der com alguém do sexo masculino e da MINHA ESCOLHA). Que sim, que o colonialismo ainda persiste no inconsciente colectivo do Egipto e que a maioria das dondocas egípcias QUER este tipo de tratamento mas eu sou campónia e disso me orgulho. Não gosto de criados que me limpem o traseiro, me apapariquem como se tivesse cinco anos de idade e sigam com olhos de açor cada um dos meus movimentos. Sou menina crescidinha e posso cuidar de mim, muito obrigada!




Mas já se sabe que o Egipto não faz agrados a quem quer que seja. Sabendo disso, como pude supreender-me quando, à saída do dito banho turco, encontrei empregadas e clientes do ginásio à porta do mesmo, encantadas por me ouvirem cantar lá dentro?!


Sim, diz que sim. Ouviram-me cantar dentro do quartinho maravilha e abancaram por lá, usufruindo do espectáculo como se isso fosse a coisa mais natural do mundo. Vá lá não terem trazido bandeirinhas com o meu nome e isqueiros acesos para criar ambiente...vá lá...




Timidamente, pedi lincença para passar por entre as pernas extasiadas das minhas novas admiradoras. Elas trincavam amendoins, bebiam refrigerantes e comentavam - por entre dentes - que bem que ela canta!


Sorri, escondi-me debaixo do chuveiro caladinha que nem um rato.




P.S. Apesar de tudo, adoro o Egipto, esta Quinta Dimensão onde o humor e o terror se encontram com desarmante frequência.





Sonhos apontados na Agenda.



Sou uma pessoa de sonhos e conquistas. Sem esse "frisson" da caça ao que me traz realização pessoal e profissional, a minha Vida fica meio perdida à procura de um sentido. Sei que os Sábios me dirão: o propósito da Vida é a Vida em si mesma. E como o acho lindo...isso que me diriam, se me lessem. Mas não atingi - ainda! - essa maturidade perante a qual a corrida aos cumes de montanhas se torna dispensável.


Dos grandes sonhos, quase toda a gente sabe porque são públicos e têm-se realizado diante dos olhos de quem segue o meu trajecto de vida. Depois há os sonhos privados, nem por isso mais pequenos mas, certamente, de aparência menos espalhafatosa. Descubro, a pouco e pouco, que estes "pequenos" desejos tornam a nossa existência mais feliz. São florzinhas soltas que, quando juntas, criam um belíssimo jardim.


Entre esses sonhos privados encontra-se esta vontade de viver num sítio onde me possa deslocar de bibicleta. Não depender dos carros, não poluir o ar enquanto me desloco, respirar mais e exercitar-me, evitar estar parada no meio de trânsito empenado...ah...delicioso!

Claro que esse sonho é impossível de cumprir aqui no Cairo. Quero dizer: impossível não é mas suicida, certamente. Os poucos corajosos - homens - que se atrevem a circular nesta selva sem regras nem juízo de bicicleta acabam no hospital sendo operados às pernas que outros carros tiveram a gentileza de esmagar sem remorsos. Depois existe o ar hiper poluído, o assédio sexual às mulheres que tornaria uma viagem de bicicleta num bilhete de apenas ida aos Infernos de todas as religiões.


Entre os pequenos sonhos marcados a vermelho na minha agenda, encontram-se estes:


1. Viver à beira mar e poder andar de "bikini" e descalça o tempo todo. Alto contraste com o meu quotidiano no Egipto no qual tenho de cobrir-me com sacas de batatas e a única água que avisto é a do rio Nilo transformado em esgoto.


2. Passar o Natal com a família chegada em Nova Iorque. Central Park, Broadway, neve e luzes coloridas por todo o lado, "Jingle Bells all the way" e muito amor...


3. Levar a minha mãe ao Quénia. ;) Duas selvagens, eu e ela, no nosso habitat natural...lindo!


4. Nadar com golfinhos, abraçá-los e dar-lhes beijos.


5. Ensinar a minha sobrinha a dançar (bem como o futuro filho de "moi memme").


6. Descobrir que o AMOR verdadeiro não é apenas coisa de novelas e imaginações ultra-românticas mas uma REALIDADE.


***Muitos outros...Se são pequenos ou não, deixo-o à vossa consideração. A mim soam-me a pérolas minúsculas. Tão mínimas quanto preciosas.

Saturday, April 14, 2012



"Procura-se um amigo.



Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter coração. Tem que gostar de poesia, de pássaro, de sol, da lua e das canções da brisa. Não precisa ser de primeira mão.”



(Vinicius de Moraes)

Friday, April 13, 2012

Revista Farah Joana Saahirah Egipto


Gratidão e carinho para a Farah que, amavelmente, editou e divulga este vídeo promocional para o maior evento de Dança Oriental da América Latina. Estarei, pela segunda vez, em Buenos Aires (Argentina) para o "Bellydance Weekend", ensinando e actuando com a maravilhosa orquestra de Mario Kirlis, recebendo esse CALOR e PAIXÃO tremendos que os argentinos me presentearam na minha primeira passagem pelo seu país. Se nessa ocasião se deram explosões de PRAZER, RECONHECIMENTO, DANÇA e AMOR, ninguém pode imaginar o que acontecerá desta vez...Só eu e Deus, maquinando Magias muito nossas*...
MUITO feliz e grata por este tão aguardado regresso a uma cidade que já trago no coração como minha.

P.S. Ah, mas é claro que vou aos Tangos..."Mi Buenos Aires querido...aca vengo yo!"

Thursday, April 12, 2012





É já no dia 19 de Maio, em Lisboa!




Belas bailarinas do meu país natal (consta que é Portugal, embora a minha progenitora jure a pés juntos que eu vim de um acampamento cigano da Andaluzia), atentem no PREÇO PROMOCIONAL para o WORKSHOP de POP EGÍPCIO - estilo "Bint il Balad" que ministrarei no próximo dia 19 de Maio em Lisboa.




***45 euros SÓ ATÉ dia 16 de ABRIL.



Abordaremos a expressão da mulher egípcia moderna na dança (e na Vida, claro está). Mistura explosiva de "shaaby", "baladi" e expressões quotidinas, de rua, de casa, de cama e de céu.



SÓ PARA QUEM ESTIVER INTERESSADO EM APROFUNDAR-SE, de verdade, na AMPLA e FASCINANTE ARTE da Dança Oriental contemporânea.


Detalhes sobre o programa e forma de inscrição em "post" anterior deste blogue ou através do email: dancemagica@gmail.com






Bem-vindas!


Para detalhes sobre o Workshop, consultem um "post" anterior neste blogue ou contactem~ nos atraves de

Citação de uma Alma gémea...
Nada a acrescentar.




Apetites (fantasias privadas)...




Que isto de dançar e viver no Egipto é fascinante (e extenuante!) mas cria em nós um outro conceito de exótico, longe das tamareiras e dos pôres-do-sol sobre as Pirâmides.





Dia de chuva.


Paris e Edith Piaf ecoando sobre o interior de um café de cor sépia a partir do qual se avista o rio Sena. A água e os lugares comuns do romantismo europeu passam por nós e nós, inconscientes, só queremos o ABRAÇO.





Esquecemo-nos que estamos em Paris, estando em Paris. Isso SABE bem.SABE...


Deixamos de lado a Catedral de Notre-Dame e a livraria "Shakespeare" de onde o cheiro de livros apetitosos se desprende.


Dançamos à chuva, uma dança endoidecida onde só entra a lucidez de ESTAR VIVO. Uma dança sem sentido, nem vocabulário, sem ordem nem rumo, descordenada como o caos da Paixão acesa.


Um homem de barrete vermelho às florzinhas toca acordeão e nós sorrimos-lhe, encharcados até aos ossos do coração.


E somos FELIZES.







Ponto infinito..................................................................











Notícias do Egipto.




Bem que podia ter começado este "post" com uma frase mais auspiciosa mas...vamos a isto!


Assusta, pessoal...um pouco. Vá lá, bastante. Tenho de admitir.




São os Salafistas e a Irmandande Muçulmana às turras, a ver a quem calha a maior fatia do bolo, são candidatos atados ao Velho Regime de Hosny Mubarak descabelando-se - e lambendo as botas ao Exército que é quem, REALMENTE, manda no estaminé - e é o povo que se cobre, cada vez mais, de lenços na cabeça, vergonhas, pudores, repressões, aparências sobre essências, ignorância e preconceitos.


A cabeça do monstro foi arrancada mas o corpo está vivo, mais do que nunca, e por todo o Egipto. É um pouco como um daqueles filmes de terror nos quais o mau da fita só desaparece por entre as paredes do Inferno eterno quando todos os seus membros, sombras e projecções forem eliminados. Mas, por mais que o herói da fita os aniquile, parecem nascer novos membros das cinzas do maldito. O Egipto corrompido é assim: foi a cabeça de Hosny Mubarak mas deixaram à solta os membros, familiares e amigos que isto de ser ditador durante 30 anos requere uma boa rede de "amiguinhos e favores prestados".




Onde está a Revolução egípcia?! Alguns dizem que foi até às Caraíbas e por lá ficou, banhando-se na água azul turqueza e bebendo "daiquiris" com chapéus de sol e rodelas de limão. Outros dizem que se tornou freira e vive, reclusa, no famoso mosteiro do Sinai (onde o meu pai teve uma Iluminação Divina e a minha mãe se queixou da falta de ventilação). Eu digo que está em casa, a comer "mahshy e molokheya" (especialidades culinárias egípcias), cochichando com as outras mulheres, ocupando-se de telenovelas turcas e outros dramas inúteis da vida a que se chama REAL (???). A revolução egípcia tornou-se "mohagaba" e agora só toca as mãos dos homens com luvas e um ar de nojo impressionante. Acha que as filhas têm de ser bonitinhas e caladinhas e que os filhos têm de fazer muito dinheiro para serem chamados de "pachás" e comprarem alguma(s) filhas de outras revoluções. Bonitinhas. Caladinhas.






Querem MESMO saber mais notícias do Egipto?!



......................................................



"I didn´t think so..."